Privinvest arrasa Nyusi em Londres: ele foi o ‘principal motor’ das “dívidas ocultas”

Privinvest arrasa Nyusi em Londres: ele foi o ‘principal motor’ das “dívidas ocultas”

O Presidente Filipe Nyusi foi o “principal motor” dos contratos entre o Estado moçambicano e a Construtora Privinvest que conduziram ao escândalo das chamadas “dívidas ocultas”, disse Duncan Matthews QC, advogado que representa a Privinvest, ouvido na semana passada no Tribunal Superior de Londres. Ele acusou o governo moçambicano de tentar evitar que Nyusi fosse investigado como resultado do processo que o executivo de Maputo intentou contra a Privinvest, o banco Credit Suisse e outros.

Dívidas ocultas: "É uma questão de tempo até que Nyusi seja chamado"

Afirmou ainda que, além de ser o principal contratante, Nyusi e a sua família beneficiaram pessoalmente dos equipamentos adquiridos nos termos dos contratos. Numa conferência de gerência do caso na semana, o tribunal ouviu os argumentos de equipas jurídicas que representam o governo, Privinvest, Credit Suisse, o banco de investimento russo VTB Capital e alguns dos indivíduos.

O caso está centrado em contratos celebrados por três empresas estatais ou veículos de propósito específico (SPVs) com a Privinvest, para comprar barcos de pesca, barcos de patrulha marítima, instalações de manutenção e outros serviços, bem como os cerca de US $ 2 bilhões em dívidas garantidas pelo governo, arranjadas pelo Credit Suisse e VTB Capital, que os SPVs tomaram por emprestado para pagar os contratos.

Moçambique alega que a Privinvest pagou subornos ao então Ministro das Finanças, Manuel Chang, e outros funcionários do governo para garantir os contratos, entre outras reclamações. Também quer que a Privinvest pague indemnizações pelas perdas do Estado decorrentes dos contratos. A Privinvest concorda que pagou funcionários do governo, incluindo Nyusi, mas nega que os pagamentos tenham sido subornos.

Nyusi ‘no centro’ dos contratos

“Ao contrário das afirmações da República, meu cliente [Privinvest] celebrou três contratos de fornecimento genuínos para fornecer uma gama de serviços e bens para a República”, disse Matthews. “Meus clientes o fizeram substancialmente a pedida do então ministro da Defesa, hoje presidente da república, Nyusi. Ele e sua família estavam no centro desses contratos. ”

“A sobrinha dele trabalhava numa das SPVs, a ProIndicus”, prosseguiu Matthews, dizendo que um dos pagamentos da Privinvest a Nyusi havia sido feito por ela e por uma empresa chamada Sunflower.

Matthews disse ao tribunal que grande parte do equipamento era para fins de defesa e que Nyusi era ministro da Defesa na época. “Apesar de toda a cortina de fumaça da República…, este é um caso simples de um comprador tentando escapar do pagamento de bens e serviços”, disse Matthews.

A Privinvest argumentou anteriormente ao tribunal que, se os pagamentos que ela fez a funcionários forem considerados subornos, o que ela nega, então os pagamentos que ela fez a Nyusi também devem ter sido subornos. O partido governante de Nyusi, Frelimo, negou que Nyusi tenha aceitado quaisquer subornos como parte do esquema de dívidas ocultas.

Matthews também tentou argumentar que os contratos com a Privinvest eram contratos reais que haviam sido cumpridos, e não apenas uma fachada de corrupção. “Meus clientes não sabem em detalhes o que a República fez com o equipamento fornecido, ma sabem que parte dele está sendo usado”, disse Matthews. Um dos barcos patrulha fornecidos foi visto participando da evacuação de Palma após o ataque terrorista à cidade no início deste ano, disse Matthews, citando uma reportagem do jornal britânico “The Times”.

Barcos também foram usados em “desfiles presidenciais” e numa pescaria realizada pelos filhos de Nyusi, confirmou ele. Matthews disse que o governo moçambicano queria “manipular” o processo legal de forma a evitar ser apanhado pelos procedimentos de arbitragem que regem os contratos – e em particular para evitar que as actividades de Nyusi fossem sujeitas a escrutínio nesses procedimentos. E argumentou que o governo moçambicano estava a tentar escapar à obrigação contratual de resolver os litígios sobre os contratos com a Privinvest através de arbitragem, argumentando que os contratos tinham sido com os SPVs e não com ela própria. Ele insistiu, entretanto, que a República estava “presa” às convenções de arbitragem.

“Sua abordagem a este litígio foi, e continua a ser, cínica e oportunista”, disse Matthews. O caso “não duraria cinco minutos numa arbitragem”, tanto se o presidente continuasse a evitar o escrutínio ao se recusar a participar do processo, quanto porque o governo teria que resolver a questão de que “recebeu tudo o que havia contratado”, ele disse.

O advogado Joe Smouha QC, do governo moçambicano, acusou a Privinvest de tentar atrasar os processos e evitar a consolidação de questões em conjunto, o que disse causaria “caos” e aumentaria o tempo e custos do processo. No entanto, Matthews argumentou que o presidente Nyusi foi o responsável por atrasar o caso.

Em Março, o Tribunal de Recurso de Londres decidiu que as reclamações de Moçambique contra a Privinvest deveriam ser ouvidas em arbitragem, e não em tribunal, algo que o governo está a apelar no Supremo Tribunal do Reino Unido. No entanto, o tribunal ainda precisa determinar se as convenções arbitrais, que as SPVs firmaram com a Privinvest, podem ser cumpridas, informou o serviço de notícias Law360. 

Desde que Moçambique instaurou o processo em 2019, o caso cresceu em tamanho e complexidade. As reivindicações de Moçambique contra o Credit Suisse foram adicionadas ao seu processo original. O Credit Suisse entrou com um processo contra a Privinvest, alegando que foi vítima de conspiração arranjada pelo construtor naval, enquanto o próprio Credit Suisse está a ser processado por credores que subscreveram o empréstimo que tinha conseguido, para além de ser processado pelo governo moçambicano. Moçambique também está sendo processado por outros credores, incluindo VTB Capital. A Privinvest também abriu um processo contra Nyusi pessoalmente, buscando torná-lo responsável por quaisquer danos que a Privinvest e seu dono, Iskander Safa, possam ser condenados a pagar, informou a Reuters. Esta reclamação também está sendo incluída no processo original. O caso continua